Os Compadres Corcundas

Os Compadres Corcundas - Histórias do mundoEra uma vez dois corcundas, compadres, um rico e outro pobre. O povo do lugar vivia mangando do corcunda pobre e não reparava no rico. O pobre andava triste e, de mais a mais, o tempo estava cruel e ele era caçador.

Numa feita, esperando uns veados, já tardinha, adormeceu no jírau e acordou noite alta. Ficou sem querer voltar para casa. la-se acomodando para pegar no sono de novo, quando ouviu uma cantiga ao longe, como se muita gente cantasse ao mesmo tempo.

– Deve ser alguma desmancha de farinha aqui por perto. Vou ajudar!

Desceu da árvore e botou-se no caminho, andando, andando, no rumo da cantiga que não descontinuava. Andou, andou, até que chegando perto de um serrote,onde havia uma laje limpa, muito grande e branca, viu uma roda de gente esquisita, vestida de diamantes que espelhavam ao luar. Velhos, rapazes e meninos, todos cantavam e dançavam de mãos dadas, o mesmo verso, sem mudar:

Segunda, terça-feira,

Vai, vem!

Segunda, terça-feira,

Vai, vem!

O caçador ficou tremendo de medo. As pernas nem deixavam ele andar. Escondeu-se numa moita de mofundos e assistiu, sem querer, àquela cantoria que era sempre a mesma, durante horas e horas.

Com o tempo, foi-se animando, ficando mais calmo e, sendo metido a improvisador e batedor de viola, cantou, na toada que o povo esquisito estava rodando:

Segunda, terça-feira,

Vai, vem!

E quarta e quinta-feira,

Meu bem!

Boca para que disseste! Calou-se tudo imediatamente e aquele povo todo espalhou-se como ribaçã, procurando, procurando. Acharam o corcunda e o levaram para o meio da laje, como formiga carrega barata morta. Largaram ele e um velhão, brilhando como um sacrário, perguntou, com uma voz delicada:

– Foi você quem cantou o verso novo da cantiga?

O caçador cobrou coragem e respondeu:

– Fui eu sim, senhor!

O velhão disse:

– Quer vender o verso?

– Quero sim, senhor. Bem, na verdade, não vendo, mas dou o verso de presente, porque gostei do baile animado.

O velho achou graça e todo aquele povo esquisito riu também.

– Pois bem, disse o velhão: uma mão lava a outra. Em troca do verso eu lhe tiro essa corcunda e esse povo lhe dá um bisaco novo!

Passou a mão nas costas do caçador e este tornou-se esbelto como um rapaz, sem corcunda nem nada. Trouxeram um bisaco novo e recomendaram que só abrisse quando o sol nascesse.

O caçador meteu-se na estrada, andando, andando, e, assim que o sol nasceu, abriu o bisaco e o encontrou cheio de pedras preciosas e moedas de ouro. Só faltou morrer de contente.

No outro dia, comprou uma casa, com todos os preparas, mobília, vestiu roupa bonita e foi para a missa, porque era domingo. Lá na igreja, encontrou o compadre rico, também corcunda. Este quase caiu de costas, assombrado com a mudança. Perguntou muito e, mais espantado ficou, quando reparou no traje do compadre e soube que ele tinha casa, cavalo gordo e se considerava rico.

O pobre contou tudo; e, como a medida do ter nunca se enche, o rico resolveu arranjar ainda mais dinheiro e livrar-se da corcunda nas costas.

Esperou uns dias, pensando no que ia fazer; depois, se largou para o mato, no dia azado. Tanto fez, que ouviu a cantiga e botou-se na direção da toada. Achou o povo esquisito, dançando de roda e cantando:

Segunda, terça-feira,

Vai, vem!

Quarta e quinta-feira,

Meu bem!

O rico não se conteve. Abriu o par de queixos e foi logo berrando:

Sexta, sábado e domingo!

Também!

 Calou-se tudo rapidamente. O povo esquisito voou para cima do atrevido e o levaram para a laje onde estava o velhão.

Esse gritou furioso:

– Quem lhe mandou meter-se onde não é chamado, seu corcunda besta? Você não sabe que a gente encantada não quer saber de sexta-feira, dia em que morreu o Filho do Alto; sábado, dia em que morreu o Filho do Pecado, e domingo, dia em que ressuscitou quem nunca morre? Não sabia? Pois fique sabendo! E para que não se esqueça da lição, leve a corcunda que deixaram aqui e suma-se da minha vista senão acabo com seu couro!

E, enquanto falava, os outros iam dando empurrão, tapona e beliscão no rico. O velhão passou a mão no peito do corcunda e deixou ali a outra, aquela de que o compadre pobre se livrara.

Depois deram uma carreira no homem, deixando-o longe, e todo arranhado, machucado, roxo de bofetadas e pontapés.

E, assim, viveu o resto de sua vida, rico, mas com duas corcundas: uma adiante e outra atrás, para não ser ambicioso.

Guardar

Guardar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *