A pequena NÃO e a grande NÃO

A pequena NÃO está sentada num banco do parque a comer chocolate.

É mesmo muito pequena, minúscula e fala muito baixinho.A pequena não, e a grande não - Histórias de encantar

Chega uma senhora gorda e pergunta:

— Posso sentar-me à tua beira? A pequena NÃO sussurra:

— Não, preferia ficar sozinha.

— Posso ficar com o teu chocolate? A pequena NÃO volta a sussurrar:

— Não, quero comê-lo sozinha.

O rapaz não ouve, tira o chocolate à pequena NÃO e começa a comê-lo.

Chega um homem que a pequena NÃO já viu muitas vezes no parque e pergunta:

— Olá, miúda! És tão bonita. Posso dar-te um beijinho? A pequena NÃO sussurra pela terceira vez:

— Não, não quero beijo nenhum.

Mas o homem parece não perceber. Chega-se à pequena NÃO e prepara-se para lhe dar um beijo.

A pequena NÃO perde a paciência de vez!

Levanta-se, estica-se e grita com toda a força:

— NÃÃÃO! NÃO, NÃO e NÃO!

Quero sentar-me sozinha no banco…A pequena não, e a grande não - Histórias de encantar

…quero comer o meu chocolate…A pequena não, e a grande não - Histórias de encantar

…e não quero que me dêem beijos!

DEIXEM-ME IMEDIATAMENTE EM PAZ!

A mulher gorda, o rapaz e o homem arregalam os olhos de espanto:

— Porque não disseste logo? — e vão embora.A pequena não, e a grande não - Histórias de encantar

E quem está agora sentada no banco?

Uma grande NÃO! É grande, forte e fala em voz alta:

— É assim. Se se diz sempre NÃO muito baixinho e com medo, as pessoas não ouvem. Temos de dizer NÃO alto e bom som.A pequena não, e a grande não - Histórias de encantar

Foi assim que a pequena NÃO se tornou uma grande NÃO.

Gisela Braun

Das groβe und das kleine NEIN

Mülheimer an der Ruhr, Verlag an der Ruhr, 1991

(Tradução e adaptação)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *