A Lâmina do Mestre

A Lâmina do Mestre - Contos InfantisEm tempos que já lá vão, vivia no Japão um mestre ferreiro. Tinha atingido uma tal perfeição na arte de forjar as lâminas dos sabres que já nem sequer as assinava. Contrariamente à tradição, segundo a qual a assinatura do ferreiro devia ser colocada na base da lâmina, as suas permaneciam sem assinatura, já que o seu brilho, a sua curva e o seu corte eram de um tal requinte que nenhum samurai se enganaria jamais quanto à sua proveniência.

Mas, com o passar do tempo e da idade, o mestre decidiu transmitir, pouco a pouco, todos os seus segredos ao seu discípulo mais chegado. Este discípulo tornou-se tão hábil no fabrico das lâminas que também ele não as assinava. Os samurais do Japão sentiram-se, então, deveras embaraçados porque, apesar de toda a sua destreza, não conseguiam distinguir as lâminas, e gostariam de saber que tipo de sabre transportavam.

A única forma de o saberem era, justamente, o último segredo que mestre e discípulo tinham partilhado. Quando chegava o outono, os dois homens sentavam-se por detrás da forja. Era um lugar onde corria um rio pacífico e as folhas que caíam das árvores formavam tapetes de cor acobreada sobre as águas. Quando o discípulo mergulhava as suas lâminas nessas águas, todas as folhas que vinham de encontro ao sabre cortavam-se prontamente em duas metades, sem qualquer perturbação. Mas, quando o mestre mergulhava as suas lâminas no rio, as folhas evitavam tocar-lhes.

Que cada um aplauda sem cessar.

Mas quem o som de uma mão sabe adivinhar?

Jean-Jacques Fdida

La naissance de la nuit et autres contes du monde entier

Paris, Didier Jeunesse, 2006

Tradução e adaptação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *