O Grupo das Quartas-Feiras

Não é quem tu pensas que és que te faz resistir.

É quem tu pensas que não és.

Anónimo

O Grupo das Quartas-feiras - Histórias de encantarA minha primeira semana na universidade resumiu-se a um imenso remoinho de insónias e de agitação.

Fiz alguns amigos entre os quais a minha madrinha, uma rapariga que dava pelo nome de Jane. Jane atraía-me pela sua postura teatral deslumbrante e, uma vez que o teatro era a minha especialidade, decidi fazer-lhe uma entrevista.

Aparentemente, ela era a pessoa mais bem-sucedida do programa de teatro, tendo participado em treze produções teatrais no primeiro ano. Ouvi-a com muita atenção enquanto ela explicava o seu sucesso e todas as oportunidades que soube aproveitar. Tinha amigos fantásticos. Tinha notas excelentes. Sabia que aulas frequentar.

E eu queria ser como ela.

Certa noite, Jane apresentou-me a Steven, um amigo que estava a produzir um espectáculo com um grupo de estudantes no qual eu queria ingressar. Falámos sobre isso e no meu interesse em participar. Mais tarde, naquela noite, recebi um email do Steven pedindo-me para assessorar o espectáculo. As coisas estavam a correr bem…

Talvez pudesse fazer alguns contactos entre os estudantes de teatro e realizar algumas produções…

Passado algum tempo, recebi uma mensagem da Jane: “O que fazes hoje à noite? Espero-te no meu apartamento às 21h.”

Sabia que Jane ia ser a minha orientadora, mas não imaginava que ela ia ser também minha amiga. Passei cerca de trinta minutos a escolher o que vestir e saí mais cedo para não me perder. Bati à porta do apartamento e deixaram-me entrar. Havia batedeiras em cima do balcão e um dos amigos de Jane segurava duas garrafas de licor em cada mão.

— Bem-vinda às noites de quartas-feiras— riu-se Jane.

Entrei sorridente e hesitante. Mas sentia-me despida: todos olhavam para mim.

Às vezes, só nos apercebemos disso quando estamos a ser avaliados. Mas mantive a minha postura e ria com eles (eram seis) enquanto contavam anedotas e falavam da vida de pessoas que conheciam (quem disse aquele disparate, quem cometeu aquela proeza…).

Perguntaram-me que bebida gostaria de tomar e leram-me a lista dos cocktails. Não planeara beber, mas pedi um aperitivo porque foi a primeira coisa que me ocorreu.

Aguentei-o toda a noite. Finalmente quando estavam todos bêbados e achei que não iam reparar, fui à casa de banho e vomitei no lavatório.

Mas eles descobriram-me e, quando voltei à sala, disseram:

— Oh, o velho truque de vomitar no lavatório! Repararam? Ébrios como estavam, continuaram a perguntar-me:

— Afinal, quem és tu, Ana? Queremos saber todos os teus segredos, até os mais obscenos!

Tentei desviar-lhes a atenção, não porque tivesse segredos vergonhosos, mas porque me preocupava que descobrissem a minha ingenuidade, o que me faria sentir ainda mais despida. Mas o que chamou mais a minha atenção foi a menção contínua da palavra Quartas-Feiras. Perguntei-lhes o que eram as Quartas-Feiras.

Jane riu-se e olhou para Steve e disse:

— Explica-lhe tu.

Steve contou-me então que, no ano anterior, tinham começado a beber em grupo às quartas-feiras. Quando alguém descobriu, começaram a chamar-lhes “O Grupo das Quartas-Feiras”. Disse-me que estavam à procura de um novo elemento e que, por isso, me tinham convidado. Foi então que um dos outros acrescentou:

— Isto é um teste.

Continuei a sorrir, mas disse que provavelmente não iria ficar.

Jane não voltou a convidar-me. Falava comigo cordialmente, mas eu tentava evitá-la. Chegou a marcar um almoço, mais por obrigação, para saber como eu estava, mas depois cancelou no próprio dia. Fiquei aliviada.

Agora tenho um novo grupo de amigos. Não me sinto despida em frente deles. Nem tenho de beber. Não são perfeitos, mas estar com eles é como meter a mão em terra fresca.

Sentimos que é tangível, autêntico e orgânico.

Sentimos que é como pensávamos que seria a universidade.

Sentimos que estamos em casa.

Hannah Greene

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.