De mal a menos

De mal a menos - Contos Infantis

Conta-se que havia um príncipe que era muito ruim. Irmão do rei e sempre destinado a príncipe toda a vida, terá sofrido sempre dessa comichão na alma, a que se chama inveja. Também queria reinar, mas nunca reinou. Bem feito!

Mesmo assim, mandava o que podia. E mandava mal. O povo, já se vê, não engraçava com ele. Temia-o muito, mas não o amava nem um bocadinho. Mais uma vez, bem feito!

De uma ocasião em que o príncipe foi visitar com a sua comitiva um povoado, as gentes da terra, por cortesia, quiseram oferecer-lhe uma lembrança. Mas o quê?

Riquezas não tinham, que a terra era pobre e para mais acabara de passar por um longo período de seca, que estragara as colheitas.

– Dá-se-lhe um saco de pinhas – alvitrou alguém. – Se o príncipe gostar de pinhões, há-de agradecer.

– E se não gostar, zanga-se – acrescentou outro. – Talvez seja mais acertado oferecer-lhe um cesto de melões, dos poucos sãos que restaram da seca.

– É um grande risco. Podem não ser doces – considerou um dos homens da terra. – Cá por mim dava-lhe uma travessa de figos. Os da minha figueira nunca me deixaram ficar mal.

Todos acabaram por concordar.

O príncipe chegou, muito emproado, e uma deputação dos camponeses da aldeia, chefiada pelo dono da figueira, veio recebê-lo no largo, singelamente enfeitado para a cerimónia.

Depois de proferidas umas palavras de boas-vindas, onde também se referia o esgotamento das águas, que empobrecera os campos, o dono da figueira entregou o presente ao príncipe, avisando-o que pouco era, mas dado com boa vontade.

O príncipe destapou a travessa, onde vinham os figos, aninhados numa cama de folhas de parra, e indignou-se:

– Figos? Um príncipe da minha estirpe não merece nada mais do que um monte de figos maduros? Isto é uma vergonha. Uma infâmia!

E o príncipe, possuído por uma grande cólera, mandou amarrar o camponês, que o presenteara, ao pelourinho do largo.

– Agora, guardas, atirem-lhe com os figos, sem escapar um.

Os guardas obedeceram. Cumprida a tarefa, a principesca comitiva abandonou a aldeia, sem um gesto de despedida. Aquele príncipe era de força. Mau como as cobras. E malcriado.

Os companheiros do camponês apressaram-se a desamarrá-lo, muito revoltados e condoídos. É que ele metia dó. Da cabeça aos pés, estava todo lambuzado da polpa dos figos que lhe tinham lançado. Pareciam feridas, mas não eram.

– Magoaram-te? – perguntavam-lhe os amigos.

O camponês, que era dotado de muito bom humor, só ria, enquanto chupava dos dedos uns restos de figos. Cada gargalhada…

– Então, fizeram-te esta malvadez e tu ris-te? – estranhavam, à volta.

Quando o dono da figueira conseguiu suster o riso, explicou:

– Estou muito feliz, apesar de tudo. Calculem vocês se, em vez dos figos, lhe tínhamos oferecido as pinhas ou os melões?

António Torrado

Ilustrações: Cristina Malaquias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *