O Castor Jardineiro

O Castor Jardineiro - Contos InfantisAo olhar para o parapeito da janela, o Castor apercebe-se de que a sua planta murchou.

— Tenho mesmo de a substituir.

O Castor Jardineiro - Contos InfantisO Castor pensa um pouco. Que tipo de flor vai ele pôr no lugar da planta murcha? Talvez um lírio? Ou… uma íris? As rosas também são muito bonitas…

Mas… o que é que, de repente, se ouve rolar pelo chão fora?

— Olá, Pequeno Castor! Eu podia ter-te ajudado com os sacos das compras!

O Castor fica aborrecido. O saco dos feijões rasgou-se.

— Boa! Isto deu-me uma ideia.

— E se semeássemos os feijões em substituição da planta da janela? — exclama o Castor, todo contente.

O Castor Jardineiro - Contos InfantisDurante o jantar, o Castor e o seu pequeno amigo deliciaram-se com um prato de feijões, mas reservaram dez feijões crus, que puseram numa taça com água.

— Os feijões crescem mais depressa se forem previamente postos a inchar em água durante uma noite inteira — explica o Castor antes de se ir deitar.

— É o que aconselha o Tio Sansão, o jardineiro — acrescenta.

O Castor Jardineiro - Contos InfantisNo dia seguinte de manhã, o Castor e o Pequeno Castor vão explorar o anexo das ferramentas do Tio Sansão, que os autorizou a usarem tudo o que precisassem para os seus projetos de jardinagem.

Mas… o que procuram eles ao certo?

— Aqui  está! — exclama  o  Pequeno

Castor. — Encontrei o manual de jardinagem do Tio Sansão.

O Castor Jardineiro - Contos InfantisNo manual, explica-se como semear feijões brancos. Antes de começar, o Castor e o Pequeno Castor leem todas as instruções.

O Castor começa por arranjar um vaso grande e outro mais pequeno. Depois, apanha dois cacos de um vaso partido, uma colher de jardinagem e um saco de boa terra. Coloca um caco no fundo de cada vaso. É para a terra não sair pelo buraco do fundo. Em seguida, enche os dois vasos com terra.

O Castor tira da água os feijões bem demolhados.

Estão agora com o dobro do tamanho.

Entretanto, arranja um pauzito reto, afia-lhe a ponta e faz-lhe uma pequena marca.

Com o pauzito, o Castor faz furos na terra, três furos em cada vaso. Espeta o pau exatamente até à marca. Assim, os furos ficam todos com a mesma profundidade.

O Castor Jardineiro - Contos InfantisO Pequeno Castor deposita um feijão em cada um dos furos e depois tapa-os com um pouco de terra.

— Ainda sobraram alguns feijões — diz o Pequeno Castor.

O Castor Jardineiro - Contos Infantis— Eu trato deles — responde o Castor.

Entretanto, o Pequeno Castor vai buscar o regador e começa a regar com muito jeito cada um dos vasos.

— Atenção! — avisa-o o Castor. — Se regares demais, afogas os feijões!

O Castor Jardineiro - Contos InfantisEnquanto o Pequeno Castor se atarefa com as regas, o Castor sai de casa às escondidas. Semeia os feijões num canteiro encostado à casa, num lugar muito soalheiro e quentinho.

“Quando plantamos e jardinamos, é preciso ter muita paciência”, alertara o Tio Sansão.

O Castor Jardineiro - Contos InfantisÉ verdade. Não podemos dizer a um feijão para se apressar. Tudo o que podemos fazer é regá-lo de tempos a tempos e esperar.

“Mas, caramba, é uma loucura a quantidade de paciência que temos de ter”, pensa o Pequeno Castor. “Já faz mais de uma semana que semeámos os feijões e ainda nada!”

Mas, uma bela manhã…

— Castor! Castor! Já cá estão! Eles brotaram!

Todos os feijões do Pequeno Castor germinaram. Mas no vaso do Castor só apareceram dois pezinhos de feijão.

O Castor Jardineiro - Contos Infantis— Rápido, Castor, vai buscar umas canas para estacar os feijoeiros!

Espetam as canas até ao fundo dos vasos, tendo todo o cuidado para não danificar as raízes. Assim, quando crescerem, os feijoeiros agarrar-se-ão às canas e treparão por elas acima.

Os dois amigos não se esquecem de regar, todos os dias, os feijoeiros, que crescem… crescem… crescem! Em pouco tempo a janela fica coberta de folhagem verde.

— Olha que flores tão lindas! — exclama o Castor.

— Olha mas é que feijões tão lindos! — corrige-o o Pequeno Castor.

O Castor e o Pequeno Castor colhem as vagens mais gordas.

O Castor Jardineiro - Contos Infantis— Olha, — diz o Pequeno Castor — há mais do que um feijão em cada vagem! Cada feijão tem uma pele branca. No seu interior está um feijão verdinho.

É um pouco delicada a tarefa de retirar a pele branca que recobre cada feijão.

Em seguida, metem os feijões em água a ferver com sal e depois servem metade em cada prato.

— Espera, vão ficar ainda mais saborosos assim — diz o Castor, enquanto deita uma colher de manteiga sobre os feijões quentes.

O Castor Jardineiro - Contos Infantis— Já te deste conta do que se consegue fazer com uns feijõezitos que vieram do merceeiro?

— diz o Castor — Uma linda planta à janela durante todo o verão e uma refeição festiva! E tu já viste o canteiro ali ao fundo encostado à casa?

— Oh! — exclama o Pequeno Castor. — Mas são feijões! Como é possível?

— Pois bem, adivinha! — responde o Castor com um ar maroto. — Amanhã voltamos a comer feijões do nosso jardim. Que achas?

— Humm, que delícia! — exclama o Pequeno Castor, todo feliz.

OS CONSELHOS DE CASTOR,

O PEQUENO JARDINEIRO

(extraídos do manual do Tio Sansão)

Os feijões brancos secos (feijoca), iguais aos que o Pequeno Castor comprou, são fáceis de cultivar. Eles brotam depressa e crescem de um modo incrível. No merceeiro também é possível encontrar outros tipos de feijão que poderás semear. Os feijões são sementes, pelo que, numa loja de sementes ou num horto, será fácil encontrar uma grande escolha.

A melhor altura para semear é a primavera pois os feijoeiros apreciam o calor e o sol. Mas também se pode semeá-los dentro de casa, qualquer que seja a estação do ano. Os pés de feijão não ficarão tão bonitos e viçosos, mas é sempre engraçado vê-los brotar e crescer.

Um bom conselho: o ideal é plantar os feijões a uma profundidade de cerca do dobro do seu comprimento e nunca esquecer de os regar! A terra deve estar sempre húmida… mas, se regarmos em demasia, podemos fazer com que as raízes apodreçam. Graças ao furo no fundo do vaso, o excesso de água pode sempre escoar-se.

Os feijões secos são muito duros. É preciso cozê-los durante algum tempo para se poder comê-los. Em contrapartida, os feijões frescos são tenros e cozem em poucos minutos. Não se pode semear feijões frescos. Só depois de seco é que um pequeno feijão está pronto a ir para a terra, ganhar raiz e crescer.

Podemos deixar umas quantas vagens nos feijoeiros para amadurecerem e secarem na planta. Colher-se-ão mais tarde, no outono, e conservam-se em casa, num lugar seco, durante o inverno.

Quando voltar a primavera podes colocar os feijões nos vasos. Os feijões crescem e tudo recomeça…

Lars Klinting

Le Petit Jardinier

Paris, Albin Michel Jeunesse, 1997

(Tradução e adaptação)

Guardar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.