O carneirinho que não queria saltar a cerca

O carneirinho que não queria saltar a cerca - Histórias de encantarUma noite, a Ana não conseguia adormecer. Virava-se de um lado para o outro, mas não adiantava. Até que acabou por chamar a mãe. Esta sentou-se à beira da Ana e disse:

— Não conseguir adormecer não é assim tão mau. Num caso desses deve contar-se carneiros.

— Carneiros…? — perguntou a Ana, admirada.

— Os carneiros vivem no Prado do Sono — explicou a mãe — que nasce da areia do sonho. Há lá uma cerca muito comprida. E de cada vez que um carneiro salta, atira alguma areia ao ar. Essa areia faz as pessoas sentirem-se cansadas e por isso é que se adormece ao contar carneiros.

A Ana achou aquilo bastante excitante. Recebeu mais um beijinho e fechou os olhos, ansiosa. E aconteceu mesmo o que a mãe dissera — viu logo o Prado do Sono e muitos carneirinhos.

O carneirinho que não queria saltar a cerca - Histórias de encantarAlgum tempo depois, um dos carneiros ergueu a cabeça e a Ana teve a impressão de que ele olhou directamente para ela.

O carneirinho soltou um alegre “Mééé”, tomou balanço, deu um grande salto por cima da cerca e atirou ao ar alguma areia do sono.

— Um! — murmurou a Ana.

Os outros carneiros iam-se colocando em fila, dando alegres marradinhas. O segundo carneiro tomou lanço e, com um enorme salto, pôs-se do outro lado.

— Dois — murmurou a Ana.

O terceiro carneirinho saltou a cerca num arco muito elegante.

— Três — sussurrou a Ana, já um bocadinho sonolenta.

O quarto carneiro correu para a cerca e… parou em frente dela! E o quinto carneiro embateu-lhe com força no traseiro! Os dois rolaram pelo Prado do Sono como um enorme novelo de lã. E a Ana voltou a perder o sono! Mas manteve os olhos fechados com força porque queria saber o que se passava no Prado do Sono.

— Ora bolas! — disse o quinto carneiro ao carneiro número quatro — então porque é que não saltaste?

— Porque não me apeteceu! — respondeu o quarto carneiro.

— Mas assim nós não podemos saltar. Tu bem sabes que temos de saltar a cerca uns atrás dos outros!

— Não me interessa — resmungou o carneiro número quatro — não salto, e pronto!

E que grande barulho se ouviu no Prado do Sono! Todos os carneirinhos gritavam numa grande confusão, muito agitados:

— Vá, salta! Também queremos passar a cerca!

— Então? É para hoje?

— Salta! Salta!

Era indescritível. Tanto barulho acabou por chamar a atenção do pastor. Mandou os carneiros contar o que tinha acontecido e, depois, dirigindo-se ao carneiro número quatro, chamou-o de lado e disse:

— Agora explica-me porque não queres saltar a cerca.

O carneirinho que não queria saltar a cerca - Histórias de encantarO carneirinho olhou embaraçado para o chão e balbuciou:

— Porque não consigo!

O pastor não queria acreditar nos seus ouvidos! E quando voltou a perguntar, o carneirinho disse, muito infeliz:

— Eu faltei à escola quando os outros aprenderam a dar saltos! E agora não sei como passar a cerca!

O pastor e os outros carneiros não sabiam o que fazer. Nesse momento a Ana não aguentou mais!

— Desculpem! — disse.

O carneirinho que não queria saltar a cerca - Histórias de encantar— Eu sou a Ana e gostava de ir dormir. Porque é que não fazem uma escada para o carneirinho número quatro passar a cerca? E a partir de amanhã treinam todos com ele!

Foi uma óptima ideia! Meu dito, meu feito! Os carneirinhos deitaram-se, agacharam-se e colocaram-se em frente da cerca de forma a fazerem uma escada.

O carneiro número quatro subiu, deu um salto e pulou por cima da cerca.

— Quatro! — murmurou a Ana.

E assim já os outros carneirinhos puderam todos saltar!

Quando chegou a vez do sétimo, a pequena Ana já estava a dormir profundamente.

Marion & Stefan Jarzombek

Das Schaf, das nicht über den Zaun springen wollte

Münster, Coppenrath Verlag, 2007

(Tradução e adaptação)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *