O cão pequenino

O cão pequenino - Contos Infantis

Ele há cães de muitas raças. Cães de muito pêlo. Cães de pêlo raso. Cães de grandes orelhas caídas. Cães de pequenas orelhas espetadas. Cães enormes. Cães minúsculos.

Pois, há tempos, eu conheci uma senhora que tinha um cão muito pequeno. Tão pequeno, tão pequeno que a dona do cão só com a lupa conseguia vê-lo.

– Não me dá despesa nenhuma – dizia a senhora. – Com duas migalhas fica com a barriga cheia.

E as outras senhoras, que tinham cães, todos eles muito maiores, e enormes contas no talho para pagar, deitavam contas à vida e ao preço da carne e dos ossos.

Mas, um dia, a dona do cão perdeu o cão.

– Ó cãozinho!

E o cãozinho, nada.

– Ó cãozinho!

E o cãozinho, nada. Não aparecia.

Então a dona do cão ficou só. Sem cão.

Chorou.

– Não tenho cão. Não tenho cãozinho. Sou uma infeliz, sem cão nem carinho.

Chorou mais e foi buscar um lenço para se assoar e limpar as lágrimas. Mas o lenço tinha um buraco.

A dona do cão foi coser o buraco. Foi buscar o dedal. Meteu o dedo no dedal e – vejam só! – estava lá o cão a dormir.

António Torrado

Ilustrações: Cristina Malaquias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.